Alguém já disse que você fala, anda ou come enquanto dorme? Então pode ser que o seu caso seja sonambulismo. Mas fique calmo! Apesar de ser uma condição um pouco estranha, ela geralmente é inofensiva. Diferente do que muitos pensam, os episódios de sonambulismo não acontecem durante o estágio REM, que é quando sonhamos, mas no estágio mais profundo do sono não-sonhador, o NREM. Então, ao acordar alguém em um episódio de sonambulismo, ele raramente irá lembrar-se de algo que tenha relação com sonhos ou experiências mentais.

 

Ainda não existe um entendimento completo sobre esse distúrbio, mas evidências apontam que o aumento na atividade do sistema nervoso durante o sono profundo é um gatilho para os episódios de sonambulismo. O “choque elétrico” que ocorre por essa movimentação inesperada dentro do cérebro faz com que o indivíduo fique em um estado de consciência mista, entre o sono profundo e vigília, em que não desperta, mas também não está adormecido. E é aí que ocorrem as atitudes características do sonambulismo. Para o diagnóstico, será necessário buscar um médico, que irá monitorá-lo em um laboratório do sono. Com eletrodos pelo corpo e cabeça, será possível medir os estágios do sono e os movimentos serão registrados por câmeras.

 

Comum na população adulta e ainda mais frequente em crianças, o sonambulismo costuma ser inofensivo, já que a maioria dos episódios, como a fala, não trazem riscos. Agora, se essa condição passar a comprometer a saúde ou ainda perceber-se que ela pode trazer alguma ameaça ao paciente ou quem está próximo dele, é essencial buscar ajuda.