Deita, fecha os olhos, dorme, acorda. Deita, fecha os olhos, dorme, acorda. Deita, fecha os olhos, dorme, acorda. E assim continua esse vai e vem dorminhoco, em ciclos diários que nos acompanham todas as noites pelo resto das nossas vidas.

 

E o mais curioso de tudo isso é que nessa repetição toda não percebemos que o sono não é algo compacto e constante, que nos desliga e mantém parados da mesma forma do começo ao fim. Muito pelo contrário. Ele pode sim ser um “bloco”, mas é formado por “bloquinhos” menores, as chamadas fases, que o completam e, mesmo sem percebermos, acontecem com todos nós a cada vez que caímos na cama.

 

E isso não acontece meramente por uma escolha do nosso corpo ou fruto da imaginação. Essas etapas possuem funções específicas, fazendo com que nosso organismo reaja de forma diferente em cada uma delas. É uma verdadeira mágica que acontece dentro de nós diariamente sem qualquer esforço, naturalmente. Quer entender melhor como isso tudo funciona, por que acontece e a importância de cada uma delas para nós? Então continue lendo que nós vamos explicar!

 

Fases do sono

 

CICLO DO SONO: REM E NREM

 

O sono pode ser dividido primeiramente em dois momentos distintos: NREM (non-rapid eye movement) e REM (rapid eye movement). Ambos travam uma batalha durante a noite, pois se revezam a cada 90 minutos, fazendo com que nosso corpo passe por uma montanha-russa de experiências. Na primeira metade da noite, os ciclos são consumidos principalmente pelo sono profundo NREM. Conforme o tempo avança, o sono REM ganha cada vez mais espaço. Meio confuso? Talvez um pouco. Mas a mãe natureza projetou essa arquitetura complexa com objetivos claros, nada aqui é por acaso.

 

Apesar de ainda não existir um consenso entre os cientistas sobre esses ciclos repetitivos e pouco assimétricos, uma teoria aponta que esse vai e vem seria necessário para atualizar nossos circuitos neurais, administrando o espaço de armazenamento do cérebro. É uma forma de encontrar um equilíbrio entre a retenção de informações antigas e manter espaço vago para coisas novas. E essa tarefa exige muito, já que para fazer uma “limpeza” dos dados antigos, o cérebro precisa identificar o que é importante, o que está sobreposto, algo que é redundante e ainda eliminar aquilo que não é relevante para nós. Então, no sono NREM, que predomina no início da noite, acontece essa “faxina”, em que são eliminadas as conexões neurais desnecessárias. E, na sequência, no sono REM, existe um fortalecimento das conexões. Assim, essa combinação de idas e vindas tão específica pode ser melhor explicada: é uma forma de balancear, atualizar e gerenciar tudo aquilo que está sendo armazenado em nossa memória sem que tudo entre em pane.

 

FASES DO SONO

 

Você já percebeu que o sono tem características próprias um pouco engenhosas. Além dos dois principais momentos que contemplam toda essa arquitetura, existem outras particularidades. A começar que o sono NREM é dividido em fases, que vão de 1 até 3, para depois partirmos para o sono REM, fechando o 1º ciclo e voltando ao início novamente e assim sucessivamente até acordar.

 

Estágio 1 - NREM1

- Transição entre a vigília e o sono

- Liberação de melatonina

- Os músculos relaxam

 

Estágio 2 - NREM2

- Ritmo cardíaco, respiratório e temperatura corporal caem

- Sono leve

 

Estágio 3 - NREM3

- Metabolismo cai

- Respiração fica mais leve

- Coração bate mais devagar

 

Estágio 4 - REM

- Relaxamento muscular total

- Olhos se movem com rapidez

- Atividade cerebral alta

- Há picos de batimentos cardíacos

- Os sonhos são mais nítidos

 

Para começar, temos o estado de vigília, que acontece de 5 a 15 minutos após deitarmos, até partirmos para a primeira fase, que é no início do sono. Os olhos fazem movimentos giratórios lentos, os músculos perdem o tônus e a atividade cerebral fica um pouco mais lenta. É um período bem curto, que logo evolui para o segundo estágio. Agora, a atividade cerebral é de maior amplitude, mas ainda é um sono razoavelmente leve. Esse costuma ser um período mais longo para os adultos - quase 50% da noite. Já no terceiro estágio, conhecido como sono profundo, temos as ondas lentas de grande amplitude.

 

Nessas três fases, acontecem algumas “manutenções” importantes no corpo: economia de energia, recuperação de tecidos, aumento da massa muscular e liberação de hormônios importantes. Em todo esse processo, há uma redução significativa da atividade do sistema nervoso. Por isso, os sonhos não são tão nítidos como os registrados no sono REM, quando a atividade cerebral é bastante intensa. Nessa fase, acontece a consolidação da memória e o aprendizado, além da chance de se livrar das recordações ruins, como já falamos por aqui.

 

Fases do sono: curiosidade

 

Agora você já sabe um pouco mais sobre o que acontece nessa maravilhosa máquina que é o corpo humano enquanto você dorme. Mas funcionar em perfeita harmonia exige que você ofereça as melhores condições para isso. E como falar em noite bem dormida sem falar no protagonista que fará tudo isso acontecer? Claro, o colchão precisa ser ideal! E, para isso, você não precisa perder tempo escolhendo entre diversos tipos de colchão, vá direto ao que foi projetado para você, com o conforto e o suporte na medida certa: o Colchão Zissou.

 

Chega de quebrar a cabeça para tomar a decisão - ou até ficar com dor só de pensar em como transportá-lo. Aqui tudo é mais simples: você compra pela internet um modelo único, com uma composição excelente, nem mole nem duro demais, no tamanho que desejar e ele vai para a sua casa em uma caixa. Depois, é só desenrolar, ver a mágica acontecer e aproveitar para Dormir & Viver. ;)

 

Está esperando o quê? Venha conhecer mais detalhes sobre o Colchão Zissou aqui e redefina sua relação com o sono.